Mike Shinoda concedeu uma entrevista a Melinda Newman da MSN Music falando sobre LIVING THINGS, as influências e sobre como é estar no Linkin Park e experiências próprias. Confira a entrevista traduzida abaixo:

Em 12 anos desde que Linkin Park lançou o “Hybrid Theory,” os caras multiplatinados de Los Angeles já venderam milhões de álbuns e sobreviveram a vários boatos ridículos que a banda de Mike Shinoda lembra qualquer momento. “Há um monte de bagagem, bom e má,” ele diz, sentando em um sofá no Estúdio da Sonos antes da recente audição do grupo do próximo álbum, “Living Things,” que sai em 26 de Junho.

Shinoda fala sobre as mais ultrajantes comparações: “‘Essa banda foi produzida pelo mesmo cara que fez o Backstreet Boys’” ou “‘Eles colocaram o nome da banda de Linkin Park para que tivesse próximo ao Limp Bizkit na prateleira de CDs.’”

Ele é capaz de rir sobre as mentiras agora, mas eles tomaram seu pedágio. Então, todos esses anos mais tarde, “Ao fazer este álbum que tínhamos de não apenas vir a enfrentar, mas chegar a um ponto com ele, onde percebemos que não tem nada a ver com a música. Nós agora chegamos a um lugar a um saudável onde todos nós temos um senso de humor sobre essa viagem.”

Há pouco a rir, no entanto, quando se trata de “LIVING THINGS”. Como “Hybrid Theory”, o álbum baseia-se em contos pessoais de dor, traição e perda através de suas marcantes e intensas 12 faixas. Mas a “caixa de ferramentas” da banda como Shinoda gosta de chamá-lo, tem se expandido muito desde então, em formas que podem surpreender os fãs.

MSN Music: Este álbum parece ter um monte de influências dos anos 80 de bandas que estavam ao redor quando você era muito pequeno. Onde veio isso?

Mike Shinoda: As referências aos anos 80 foram ainda mais aparente nos duas primeiras gravações. Se você ouvir “Crawling” e “Pushing Me Away”, se você não ouvir Depeche Mode lá, eu não sei o que você está ouvindo. [risos] 10 a 12 anos atrás, nossa paleta era sólido e fomos tirando as coisas que sabíamos que iria fazer algo de bom, mas esses dias eu acho que é uma paleta mais complexa. Nós ouvimos mais coisas, escutamos mais coisas. Eu vou ser honesto, eu não sabia que o catálogo dos Beatles seria assim como eu faço agora. Eu não sabia que o catálogo do the Who seria assim como eu faço agora. Eu era um garoto que gostava de hip-hop. Você me perguntou sobre Run-DMC e Beastie Boys e NWA, eu poderia recitar todas as músicas. Agora, conhecendo um pouco mais sobre a música [mais velho] e as técnicas de gravação que entraram em fazê-los, essas coisas só me permitem pessoalmente para puxar a partir de uma ampla gama de idéias quando estou no estúdio.

Parecem ter algumas influências de folk neste álbum.

O folk chegou cerca de um ano atrás. Foi realmente vindo do [guitarrista] Brad [Delson] e [eu]. Ouvimos algumas coisas muito antigas, 1900, 1800, não coisas como dos anos 60, não como o Dylan. … Muito disso era religioso, um monte de coisas que eu pessoalmente gostei e eram realmente de fazendas das prisões do sul. Elas foram feitas num momento em que a estrutura da música, como todos sabemos hoje, a coisa verso-refrão, não existia. Então, para ouvir estas canções que têm poder de permanência tal e que são tão poderosas que não incluem alguns dos lixos dos tempos modernos foi muito refrescante para mim.

“Living Things”‘ primeiro single, “Burn It Down,” é número 1 nas Músicas de Rock da Billboard. Ser número 1 significa mais para você hoje do que quando começou?

Sim, depois de ter passado por um ponto em que colocar para fora algumas músicas que não são boas ao vivo como esperávamos, em alguns casos, era um pouco confuso. “Leave Out All The Rest”, em nosso terceiro disco, eu sempre pensei que ia ser uma música muito grande. … Assim, sempre que você tem algumas coisas que não vingam, experimenta-se um pouco de humildade. … Estou muito grato dessas coisas quando acontecem, eu sempre fui.

Você parece muito feliz de estar aqui, mas há muita angústia sobre este álbum. Você chama isso de “LIVING THINGS”, porque se trata de relações pessoais. Dói para exorcizar demônios?

Sim. É óbvio que é tão bobo quando as pessoas falam, “Oh, alguém se torna bem sucedido no que faz e não têm direito a reclamar nada.” E no momento em que a pessoa perde um pai ou cônjuge, torna-se evidente uma vez que é um ser humano e não importa o sucesso que você tem ou onde você está na vida, a dor machuca. … Quando algo que interessa a você é levado para longe – ou, na verdade, às vezes apenas ter que esperar por algo machucar. … Nós escrevemos a partir de um lugar que é honesto o tempo todo, mas o material que vai neste disco, em comparação com o último é definitivamente mais pessoal. Há muito mais “eu” e “você” nas letras, e que está sempre vindo de um lugar que é muito real.

Além disso, você é tudo em seus 30 e poucos anos. Até agora, a vida tem chutado em torno de você, por isso há algum terreno fértil para arar.

Quando eu era jovem, eu não tinha tanta consciência das ramificações de minhas ações e das ações de outras pessoas. Assim que você começar a ficar um pouco mais velho dá para preceber o alcance de como as coisas são afetadas pelo que você faz ou que outras pessoas fazem para você, ela apenas significa muito mais, e se é algo ruim, apenas dói mais, você sabe.

Como foi trabalhar com o produtor Rick Rubin, diferente desta vez a partir dos dois álbuns anteriores?

Com o tempo, você fica familiarizado com os estilos e habilidades dos outros. … Eu amo basquete, e quando vejo uma boa equipe, eles têm a química e eles vão pegar o ritmo, é tão divertido de assistir. Eu realmente experimento isso com Rick e nossa banda. Não há como tocar quando chegamos no estúdio juntos. Nossa banda é construída sobre a filosofia de reunir muitos sons diferentes e coisas que nós gostamos, e estamos trabalhando com um produtor que é conhecido por ser capaz de fazer isso. Rick não lhe empurra as coisas. Ele mal sugere coisas específicas. Ele chama isso de você.

Qual foi o pior dia em estúdio enquanto fazia o “Living Things”?

É mais do papel de produtor. Rick não liga muito para prazos. Ele é o oposto disso, e meus companheiros de banda são uma espécie de consciência de que eles não se importam tanto, então eu sou o tipo daquele cara. Houve um momento quando eu percebi que precisávamos de títulos de músicas finalizadas, um título de álbum finalizado e arte do álbum real em uma semana e não tínhamos nada. Estava me matando. É como cuidar gatinhos. É como: “Gente, vamos ter foco. Nós só precisamos fazer essas coisas ou vamos perder a nossa data de lançamento;. Vocês não podem nem mesmo se concentrar em ter um título para o álbum juntos.” Estava me matando.

Tem sido uma dúzia de anos desde que o primeiro álbum saiu. Qual é a única coisa que você sabe com certeza sobre Linkin Park?

[Pausa longa] Ah cara, eu não quero dizer nada depreciativo … [risos]. Eu não sei se posso responder essa. Vamos pular essa.

Fonte: MSN Music